segunda-feira, 9 de julho de 2012

Hitler deu proteção temporária a Judeu

Uma carta de agosto de 1940 revela que Adolf Hitler deu proteção a Ernst Hess, um oficial judeu que lutou a seu lado na I Guerra Mundial. A proteção, no entanto, durou apenas alguns meses. Em junho de 1941, Hess foi mandado para um campo de concentração perto de Munique. A descoberta do documento foi feita pela historiadora Susanne Mauss.
Em carta, Adolf Hitler pediu que as autoridades competentes deixassem em paz o judeu Ernst Hess - mas decisão foi revogada em poucos meses
O documento, que leva o selo do chefe das SS, Heinrich Himmler, menciona o "desejo" de Hitler de proteger o antigo companheiro de armas de sua própria política de ódio, que resultou na morte de 6 milhões de judeus. Apesar de reconhecer explicitamente Hess como "judeu com quatro avós judeus", a carta enfatiza a vontade de Hitler de que se considere "com benevolência" a demanda de Hess de gozar de tratamento especial. O documento termina com um convite às autoridades competentes a "deixar em paz" o interessado.
O periódico Jewish Voice from Germany publicou uma cópia do documento encontrado por Mauss, membro do comitê de redação desta publicação. O documento indica que Ernst Hess, então juiz do tribunal de Dusseldorf, "esteve durante a guerra de 1914-1918 na mesma companhia de Hitler e foi provisoriamente o chefe dessa companhia".
"O documento se refere ao 'desejo' do ditador e isso é algo realmente surpreendente", afirma Mauss. Segundo ela, citar Hitler neste tipo de documento era um fato excepcional. Mauss encontrou a carta quando estava preparando uma exposição chamada "Advogados sem direitos" sobre a história dos advogados judeus em Düsseldorf.
Segundo a historiadora, a proteção do ditador durou de 19 de agosto de 1940, a data do documento, até os primeiros meses de 1941. Em junho de 1941, Hess foi levado às autoridades de Munique, a quem apresentou a carta de proteção. Os oficiais então lhe disseram que o documento não tinha mais validade e que agora ele era um "judeu como todos os judeus". Hess foi deportado para o campo de Milbertshofen, perto de Munique.
Hess sobreviveu ao Holocauso, ao contrário de sua irmã Berta, e morreu em 14 de setembro de 1983.

Ernst Hess na Primeira Guerra Mundial

Nenhum comentário:

Postagens mais acessadas